22 de março de 2009

Mudou a estação

Já é outra estação e tudo começa a mudar, como se apenas uma data no calendário fosse o suficiente para o tempo entender isso.
Claro que não é, mas percebi que a brisa é outra, está mais fresco aqui por esses lados.
Começo a me sentir melhor de novo, mas ainda falta muito para me sentir em casa...
Se é que posso explicar isso... não posso.

O que importa que as noites estarão mais frescas e os dias também.
Não me apedreje quem gosta daquele calorão de verão.
Eu gosto também de uma cor dourada na minha pele branca, realça meu cabelo e olhos, mas é só!
Não há banho que dure, perfume que resista, cabelo que permaneça solto e com aparência não-melada, roupa bonita que fique sem grudar... eu simplesmente não gosto.

Mas é outono (desse lado do hemisfério), não associo apenas com folhas que caem, mas com uma vida nova que se apronta para dias mais frios e mais bonitos.
Meu peito se enche de alegria junto com esse ar que entra pelos pulmões, parece que o oxigênio vem mais leve, mais suave - ele existe e está por aí!

Não sei explicar, mas eu consigo encontrar nas pequenas coisas que a natureza me presenteia uma energia que me revigora.
Sou simples, gosto de colocar os pés na terra, estar perto de árvore, entrar em comunhão com os elementos da natureza.
Meu local de repouso é uma praia distante daqui, como referência tenho uma foto no meu celular, mas cada detalhe está gravado na minha mente e é para lá que eu vou quando medito.
Reconheço todos os detalhes, olho para a direita e vejo uma vegetação sobre montes de areia (a praia fica em nível muito mais baixo que a rua), olhando para a esquerda vejo o mar, grosso, sempre mexido e com ondas fortes, para frente tem um morro, cujo caminho ja subi várias vezes e serve de pasto para bovinos - que deixam por lá dejetos, mas que nunca os encontrei pastando e para trás tem outro morro, cheio de casas, muitas delas estão lá há mais tempo que eu consiga me lembrar.

Essa é a minha praia!
Quase 700 km de distância nos separam fisicamente, mas me bastam 15 minutos e eu me sinto lá...

Costumo estar lá presencialmente a cada inverno, vou lá todos os dias, coloco a toalha na areia e sento com um livro em mãos, volto para casa revigorada, com um sorriso no rosto que é difícil apagar.
Seria tão bom se cada pessoa que conheço se encontrasse assim... em um lugar só seu.

O outono seria colorido, o inverno alegre, a primavera radiante e quando o verão chegasse novamente enchesse de dourado não só o céu, mas a alma inteira!

Bom domingo!

2 comentários:

Chá das 5 a meia-noite disse...

Ola sábia amiga! Eu também amo o Outono. Sinto falta! Para mim era a estação onde eu começava num recolhimento, tendo maiS tempo pAra pensar, refletir, me preparar para o gostoso do frio que logo chegaria. Verão...tá tudo bem, é legaL estar quente e vc poder ir pra perto da água(piscina,chuveito,praia,cachoeira). Aiii,que inveja! Sinta o outono desse ano por mim também, por favor.

Bee

mell® disse...

Amiga

O outuno é a estação que denota isso: recolhimento, encontro, introspecção.
Acredito que voce sinta falta sim, do outono, do inverno e da nossa primavera.
Um dia voce volta... eu sei.

bee